16 Maio 2006

São Paulo...

Muitos olharão para o que está a acontecer em São Paulo como mais um daqueles episódios de violência a que o Brasil infelizmente há muito nos habituou. Desta vez, porém, todos os limites foram ultrapassados. A maior cidade da América do Sul é hoje um dos cenários apocalípticos que só se vêem no cinema ou na banda desenhada. É palco de uma violência organizada que tenta remeter o Estado de direito para uma trincheira, obrigando-o a ter de assumir uma espécie de luta corpo a corpo, com as mesmas armas e nos mesmos territórios.
São Paulo é a "Sin City" da realidade humana. Bandos de delinquentes organizados nas ruas e nas cadeias actuam com comando centralizado e aquilo a que uma especialista brasileira no estudo da criminalidade chamava ontem, na Folha de S. Paulo, "retórica política", semeando a morte e o caos na comunidade. O que ali se está a passar é uma luta pelo controlo do tráfico de droga a uma grande escala, uma afirmação de autoridade nas ruas e mesmo nas cadeias, uma forma de dizer a antigos cúmplices, alguns políticos e polícias, que o domínio das regras do jogo não lhes pertence em exclusivo.
Durante anos, as principais cidades brasileiras têm procurado fugir ao título de "cidade mais violenta do Brasil" transformando a segurança num campo de políticas avulsas e de cumplicidades perversas geradas pela ambição e pelo dinheiro, ou seja, campanhas políticas alimentadas pelo tráfico de droga, corpos policiais minados pela corrupção, sistema prisional dominado pelos próprios criminosos.
As autoridades políticas e policiais, em particular Rio de Janeiro e São Paulo, têm rivalizado na fuga a tal estatuto, provocando o crescimento de estados policiais federais que aniquilaram por completo a possibilidade de desenvolver políticas sérias de combate ao crime organizado, cada vez mais alimentado no imenso vácuo social gerado pela miséria. À violência das ruas contrapôs-se, há mais de duas décadas, com os resultados conhecidos, a violência do Estado, que se exprimiu em cadeias que são verdadeiros campos de concentração, execuções em plena rua por parte da polícia, confrontos nas favelas, mas cada vez mais no centro das cidades, banalização do uso de armas pesadas, algumas das quais só existem nos depósitos das Forças Armadas brasileiras. Foi com a divinização de um securitarismo primário que o Brasil chegou aqui e se transformou em tudo o que não devemos querer para nós.
(Editorial de hoje do Diário de notícias)

15 Maio 2006

Ter filhos...

As tomadas de posição do Governo e do partido que o apoia, relativamente à natalidade e à demografia, são sintomáticas dos novos tipos de arcaísmo do centrão.
Qualquer política de natalidade teria que passar, nomeadamente, por apoios concretos ao quotidiano dos (futuros) pais. Contudo, encerram escolas ao mesmo tempo que bradam contra a baixa da natalidade. Fecham maternidades mas gritam contra o envelhecimento da população. Penalizam as famílias que têm apenas um filho - ou nenhum -, enquanto desprezam a imigração como parte integrante e indispensável de uma política demográfica. Por fim, fazem a lei da reprodução medicamente assistida (RMA) reservando o acesso a este direito a casais heterossexuais casados ou em união de facto, enquanto apelam à sustentabilidade da Segurança Social.
Este novo diploma, que ainda terá que ser aprovado e que demorou duas décadas a dar à luz, exclui as "mulheres sós". Uma mulher sozinha - e, convenhamos, sós ou mal acompanhadas no exercício da parentalidade ainda são mais do que muitas - pode educar um filho. Uma mulher sozinha pode adoptar um filho. Mas uma mulher sozinha não pode recorrer à RMA. Porquê? Simplesmente porque, garantindo esse direito às mulheres sozinhas, dá-se esse direito às mulheres lésbicas. A discussão sobre a RMA nunca deveria ter ficado dependente da questão da infertilidade. Mas ficou. E os resultados estão à vista. Quanto ao Governo e à maioria que o apoia, a linha é clara. Em nome de uma suposta racionalidade económica, esvaziam-se os direitos dos cidadãos, como o direito à saúde e à educação, mantendo numa penúria legal os que já são discriminados, como os imigrantes e os homossexuais. Na verdade, não é apenas de uma racionalidade económica, já de si discutível, que se trata. Se fosse, estes dois últimos grupos, por exemplo, não seriam discriminados quando, ainda por cima, se lida com a questão da baixa da natalidade enquanto matéria vital. Trata-se antes de um programa político que, em tempos de romaria, timidamente se esconde atrás dos tecnocratas.
Que isto seja preconizado com o título de Governo socialista não deve gerar equívocos. O conservadorismo aliado ao neoliberalismo encontrou aí e afinal a sua melhor barriga de aluguer.
(Crónica de Joana Amaral Dias no Dn de hoje)

11 Maio 2006

Brinquemos um pouco...

com o projecto do nosso querido governo de encerrar maternidades:
"
- Nome do seu Pai?
- João Silva.
- Nome da sua Mãe?
- Maria Silva
- Naturalidade?
- Badajoz…
- O seu nome?
- Juan Silva, por lo presupuesto!"

A “localidade” de Elvas como subúrbio de Badajoz!


O futuro está já aí...

09 Maio 2006

Os brasileiros de Maringá..

(vista da cidade da Maringá)
Chegaram os repovoadores da terra queimada", noticiava o Público, na passsada sexta-feira. Os "repovoadores" eram quatro famílias brasileiras, lote inicial das famílias de Maringá que é suposto irem repovoar e dar vida ao concelho de Vila de Rei, num programa inédito a que a presidente da câmara meteu ombros.
Voltando ao início da conversa: que tem a grande cidade de Maringá (500 mil habitantes, no interior do estado do Paraná, a sul do de São Paulo) a ver com o pequeno concelho de Vila de Rei (3250 pessoas) e em decréscimo demográfico e económico? Algo de muito relevante. Nas décadas de 40 e de 50, quando a pobreza dos portugueses levava muitos à aventura da emigração, muitos habitantes de Vila de Rei partiram para aquela cidade brasileira, vestidos quase só com o sonho de uma vida melhor. Lá eles se estabeleceram, lá prosperaram, lá criaram riqueza para si e para os da terra. Trabalharam duro, a maior parte deles, foram empreendedores - algo de que muitos portugueses do final do século passado e do início deste se esqueceram.
Por isso, os brasileiros de Maringá vêm "repovoar" - por geminação de raiz histórica entre os dois concelhos - Vila de Rei. As razões que levaram os portugueses a emigrar, para o Brasil, para os EUA, para a Venezuela, para França e Alemanha, por todo o século XX, felizmente desapareceram. Mas também desapareceu a vontade férrea de tentar a vida onde ela parece possível, de suportar a dor e a dureza da existência em busca de futuro. Não há jovens e outros menos jovens desempregados portugueses que queiram ir para Vila de Rei. É longe do litoral povoado, é incómodo para os sonhos de consumo fácil, e, em muitos casos, o subsídio de desemprego conduz a uma vida apertada, mas sem esforço.
Para os brasileiros de Maringá, o esforço é o sonho. De uma vida melhor, da Europa, da segurança, da possibilidade de aforrar cem euros por mês, que no Brasil é quase um salário mínimo. Eles pensam e fazem exactamente o que pensava e fazia o emigrante português de sempre. Que, se necessário, o futuro se conquista a pulso. Com mais ou menos auto-estradas, mais ou menos acessibilidades, os portugueses não querem "sofrimento". Os professores que, ao abrigo de programas de apoio e de incentivo profissional, concorriam aos postos vagos, por exemplo, na Madeira e nos Açores, iam só quase porque adicionavam etapas de efectivação. Uma boa parte deles passava a vida no Continente, com "baixas médicas", deixando os alunos tempos e tempos sem aulas, porque a vida longe de Lisboa e do Porto não era tão formosa. Até que os Governos Regionais decidiram acabar com a brincadeira.
Se os brasileiros - que são gente nossa, mesmo com diferenças, falam a nossa língua e desejam trabalhar - quiserem "repovoar" o nosso interior e se essas experiências foram efectivas, porque não? Nós fizemos muitas cidades brasileiras, povoámos muita terra através do mundo, fizemos das Terras de Vera Cruz o Brasil, porque não ajudarem-nos eles agora, com conta, peso e medida, a refazer o nosso país? A crescer demográfica e economicamente (os imigrantes já contribuem com 7% do PIB nacional) e a rejuvenescer a população?
(Artigo de José Manuel Barroso no DN de hoje)

08 Maio 2006

Quercus protege narciso da serra da Estrela...



O narciso-de-trombeta é a mais recente relíquia natural que a Quercus pretende proteger. Esta planta bolbosa é rara na Península Ibérica e encontra-se apenas em dez populações do País. Para proteger uma delas, os ambientalistas criaram a microrreserva da serra da Estrela. Com apenas meio hectare, junta-se a outras cinco que compõem uma rede criada há dois anos e financiada pelo Fundo Quercus para a Conservação da Natureza.
Para garantir a preservação desta espécie, cujo grau de ameaça conduziu à sua protecção pela legislação nacional e comunitária, a Quercus fez um contrato com o proprietário de um terreno de Celorico da Beira. Ao longo de dez anos, serão implementadas medidas com vista à preservação do narciso-de-trombeta, como a promoção de um pastoreio extensivo, a não mobilização do solo, a proibição de herbicidas e outros pesticidas ou a limpeza periódica de herbáceas e arbustos prejudiciais.
Será ainda construída uma vedação que evite a colheita ilegal de bolbos, uma actividade proibida pela legislação que não permite também o corte, o desenraizamento ou destruição desta planta. As iniciativas têm o apoio do Parque Natural da Serra da Estrela.
( Artigo no DN de hoje)

05 Maio 2006

Pobreza Zero...




A cada três segundos
uma criança morre de fome...
desnecessariamente.

Temos que mudar esta situação. Mobiliza-te!
Diz ao governo português que te preocupas com a pobreza no mundo!
Vamos pressionar os governantes para aumentar a ajuda aos países mais pobres!

Junta a tua voz em www.PobrezaZero.org

04 Maio 2006

Catástrofe humanitária no Darfur....

Darfur, região que ocupa grande parte do oeste do território sudanês, assiste desde Fevereiro de 2003 a um conflito que opõe as milícias árabes Janjaweed, apoiadas pelo governo de Cartum, aos movimentos rebeldes do Exército de Libertação do Sudão (SLA) e do Movimento para a Justiça e Igualdade (JEM), que lutam por uma maior participação da região nas estruturas centrais do poder político e económico.
Os massacres da população civil, assumindo por várias vezes um cariz étnico, são a face mais visível de um conflito que é, nas suas causas, eminentemente político. Com efeito, apesar de ser um conflito distinto daquele que desde 1983 opõe o Norte, na sua maioria árabe e muçulmano, ao Sul, de população negra, cristã e animista, Darfur é mais um capítulo da mesma história.
Vários analistas garantem que dezenas de milhares de elementos das comunidades agro-pastoris africanas já pereceram neste conflito e que muitos milhares de pessoas continuam em risco, mesmo apesar do cessar-fogo assinado em Abril último. Um dos mais dramáticos efeitos deste conflito é a vaga de refugiados e deslocados internos que assola a região de Darfur, a fronteira mais ocidental do Sudão. Os números são avassaladores – mais de um milhão de deslocados internos e cerca de 150 mil refugiados no Chade, que faz fronteira com o Sudão. O cenário é catastrófico – as populações vivem em condições humanitárias críticas, as organizações internacionais têm pouco ou nenhum acesso à região (é-lhes negado pelo governo sudanês), não chega à região a ajuda alimentar necessária, a época das chuvas aproxima-se, o perigo de doenças aumenta e o acesso aos campos de refugiados será ainda mais difícil.

24 Abril 2006

25 de Abril sempre...

...fascismo nunca mais!!!



AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU
...
De tudo o que Abril abriu
ainda pouco se disse
um menino que sorriu
uma porta que se abrisse
um fruto que se expandiu
um pão que se repartisse
um capitão que seguiu
o que história lhe predisse
e entre vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
um povo que levantava
sobre um rio de pobreza
a bandeira em que ondulava
a sua prórpia grandeza!
De tudo o que Abril abriu
ainda pouco se disse
e só nos faltava agora
que este Abril não se cumprisse.
Só nos faltava que os cães
viessem ferrar o dente
na carne dos capitães
que se arriscaram na frente.

Na frente de todos nós
povo soberano e total
e ao mesmo tempo é a voz
e o braço de Portugal.

Ouvi banqueiros fascistas
agiotas do lazer
latifundiários machistas
balofos verbos de encher
e outras coisa em istas
que não cabe dizer aqui
que aos capitães progressistas
o povo deu o poder!
E se esse poder um dia
o quiser roubar alguém
não fica na burguesia
volta à barriga da mãe!
Volta à barriga da terra
que em boa hora o pariu
agora ninguém mais cerra
as portas que Abril abriu!

( tirado do poema de José Carlos Ary dos Santos )

21 Abril 2006

O custo de um filho...

Ter um filho é um investimento ditado pelo coração cujo retorno não se mede em dígitos. Mas que sai caro, sai.
Segundo as contas do «Semanário Económico», o «preço» de um filho, desde o nascimento até à universidade, ascende a qualquer coisa como 122 mil euros, ao longo de 23 anos. São mais de 24 mil contos, em moeda antiga.
Os cálculos foram feitos com base em questionários a famílias de rendimentos semelhantes (rendimento mensal a rondar os 2 mil euros). Mas o valor deve ser encarado apenas como um valor base, uma vez que a soma apurada está inserida num padrão de vida de classe média em que a família tem características de consumo moderadas.
Segundo os pais, é na alimentação e na educação que os gastos são maiores, mas é cada vez mais visível o efeito do marketing e da publicidade nas exigências dos filhos, pois, ao ditarem tendências, influenciam as crianças e os jovens quer no que respeita a brinquedos, roupas e acessórios e até nos telemóveis.
Além disso, crescem também os gastos com tecnologias, aliadas não só à educação, mas também ao lazer.
(In PortugalDíario de hoje)

20 Abril 2006

A explicação psicanalítica...

do desespero do nosso maior poeta:

"Teste de Português"

- Pedido de análise do poema

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

( Luís de Camões)

A Análise de uma aluna de 16 anos da Escola C+S da
Rinchoa foi a seguinte:

Ah!!! Camões!!!
Se vivesses hoje em dia!
Tomavas uns anti-piréticos;
Uns quantos analgésicos;
E Xanax ou Prozac para a depressão;
Compravas um computador;
Consultavas a página do Murcon;
E descobririas,
Que essas dores que sentias;
Esses calores que te abrasavam;
Essas mudanças de humor repentinas;
Esses desatinos sem nexo;
Não eram feridas de amor;
Mas somente,
Falta de sexo.

06 Abril 2006

Adivinha...

O Secretárrio de Estado da Administração Interna disse há dias que
:"a taxa de alcoolemia poderá diminuir consideravelmente, no final do ano se os produtores de vinho não ajudarem a contrariar os números de mortos nas estradas..."
No dia seguinte o Ministro da Agricultura disse que as palavras do seu colega de governo não passavam de um desabafo.
A adivina é:qual dos dois estava bêbado?
(A minha dúvida: fazem testes de alcoolemia aos governantes antes de falarem em público?)

05 Abril 2006

Afinal parece que o Nilo ...

...não nasce no lago Vitória.


Exploradores percorreram cinco países e enfrentaram crocodilos e ataques rebeldes durante a viagem de 80 dias

Cruzaram cinco países, atravessaram águas repletas de crocodilos e ultrapassaram um ataque rebelde. Mas "valeu a pena". Ao fim de 80 dias no trilho do Nilo, uma equipa de três exploradores diz ter alcançado a "verdadeira nascente" do rio. Uma descoberta que vem atribuir mais 107 quilómetros de comprimento ao que é já o maior rio do mundo.
"A História foi reescrita", anunciou Neil MacGrigor, o aventureiro britânico que protagonizou a viagem de quase três meses, lado a lado dos colegas neo-zelandeses Cam McLeay e Garth MacIntyre.
A aventura já tinha sido interrompida no ano passado, em Novembro, depois de um ataque de rebeldes no Murchison Falls National Park, no Norte do Uganda, ter resultado na morte de um elemento da equipa. Mas nem isso fez desistir os restantes investigadores.
Em Março retomaram a viagem e, na passada sexta-feira, finalmente, cumpriram o objectivo: reclamam ter sido os primeiros a percorrer todo o rio até à sua "verdadeira nascente", nas profundezas da floresta de Nyungwe, no Ruanda. Para isso seguiram o rio Akagera até ao seu ponto mais longínquo.
Até agora, pensava-se que o rio nascia no Lago Vitória, situado entre o Uganda, o Quénia e a Tanzânia - um lago onde nascem vários rios de diferentes países. Mas a questão está longe de ser consensual ainda desde a década de 1850, quando exploradores como John Hanning Speke arriscaram tudo para resolver o mistério. Só a partir de 1864, com o americano Henry Stanley, se conseguiu mapear grande parte da região.
Um século e meio depois, a nova expedição volta a agitar as águas do Nilo. E com a localização da nova nascente, também o comprimento do rio ganha uma nova dimensão: dos 6695 quilómetros de comprimento, passa a ter 6802, segundo o sistema de localização geográfica via satélite (GPS) utilizado.
E foi quase toda essa distância que os exploradores percorreram durante 80 dias, a bordo de três pequenas embarcações. Os últimos 70 quilómetros da aventura, no entanto, foram trilhados a pé, durante uma semana, até ao interior da floresta de Nyungwe.
Alcançada aquela que dizem ser a verdadeira origem do rio, para trás ficam os "enormes rápidos", os "ataques dos crocodilos", as "graves doenças tropicais" e toda a "terrível logística". "Os meus agradecimentos vão para todos os que tornaram isto possível e especialmente os guias e nativos que estão connosco", afirmou Neil McGrigor à BBC, pouco depois de chegar à nascente e acrescentar um capítulo à geografia.
(In Diário de Notícias de hoje)

03 Abril 2006

A população de Olhão...

acusa o padre de vandalizar um ninho de cegonha .

Dizem que ele destrói o ninho na torre da igreja matriz de Olhão, apedreja o casal de cegonhas e parte os ovos. Parece anedota, mas é caso grave e está a indignar os moradores da Avenida da República, na cidade algarvia.
“Os animais são maltratados por uma pessoa que devia dar o bom exemplo”, diz Maria Estrela, residente num prédio em frente à igreja. “O padre agride e espanta as cegonhas.” Acrescenta que no interior do ninho existem tábuas, uma delas com pregos.
“Já o vi várias vezes com uma vassoura a tentar espantar os animais e a apedrejá-los de longe. Alguns ovos foram partidos e uma das cegonhas está aleijada na pata. E há dias apanhei-o a tirar parte do ninho de cima do telhado.
”Outra moradora, Maria Donath, considera “inqualificável” as acções contra as aves. “São animais que têm de ser protegidos. O ninho está ali há quatro anos e o casal nunca teve crias, o que também é estranho.”A moradora alertou o Parque Natural da Ria Formosa (PNRF). Os vigilantes detectaram indícios “de que alguém tentou destruir o ninho”, segundo o biólogo Nuno Grade.
Os vigilantes vão dizer ao padre que o ninho não pode ser mexido e que, no final da época de criação, pode pedir para ser retirado. “A cegonha é uma ave protegida e o que está a acontecer é uma violação grosseira da lei. Não se pode perturbar os animais em época de nidificação.”

31 Março 2006

Um pensamento da Melancia para ...

alegremente entrarmos no fim-de-semana.

A alegria adquire-se. É uma atitude de coragem. Ser alegre não é fácil, é um acto de vontade.

30 Março 2006

Para pensarmos...

e arranjarmos resistência para analisar as notícias com que alguns "media" intoxicam o nosso quotidiano:
"Sabes que o virus da gripe das aves foi descoberto há 9 anos, no Vietnam?
Sabes que desde então morreram apenas 100 pessoas EM TODO O MUNDO, EM TODOS ESTES ANOS?
Sabes que os norte-americanos foram os que alertaram sobre a eficácia do TAMIFLU (antiviral humano) como preventivo?
Sabes que o TAMILFLU apenas alivia alguns sintomas da gripe comum?
Sabes que a sua eficácia perante a gripe comum está questionada por grande parte da comunidade científica?
Sabes que perante um SUPOSTO virus mutante como o H5N1, o TAMIFLU apenas aliviará a doença?
Sabes que a gripe aviária, até ao momento, só afecta as aves?
Sabes quem comercializa o TAMIFLU?..... LABORATÓRIOS ROCHE.
Sabes a quem comprou a ROCHE a patente do TAMIFLU em 1996?...... a GILEAD SCIENCES INC.
Sabes quem é o Presidente da GILEAD SCIENCES INC e hoje o seu principal accionista? DONALD RUMSFELD, actual Secretário da Defesa dos EUA.
Sabes que a base do TAMIFLU é o anís estrelado?
Sabes quem ficou com 90% da produção mundial desta planta? ..... ROCHE
Sabes que as vendas do TAMIFLU passaram de 254 milhões de dólares em 2004 para 1000 milhões em 2005?
Sabes quantos milhões mais pode ganhar a ROCHE nos próximos meses, se continuar o negócio do medo?
Ou seja, o resumo da história é o seguinte:
Os amigos de Bush decidem que um fármaco como o TAMIFLU é a solução para uma pandemia que não apareceu e que causou 100 mortos em 9 anos, EM TODO O MUNDO.

Este fármaco não cura nem sequer a gripe comum.
O virus não afecta o homem em condições normais.
Rumsfeld vende a patente do TAMILFLU à ROCHE e esta lhe paga uma fortuna.
ROCHE adquire 90% da produção do anís estrelado, base do antivírico.
Os governos de todo o mundo ameaçam com uma pandemia e compram à ROCHE quantidades industriais do produto.
Nós acabamos por pagar o medicamento e Rumsfeld, Cheney e Bush fazem o negócio......
ESTAMOS LOUCOS OU SOMOS IDIOTAS?"
(Editorial do número 81(abril-2006) da revista DSALUD, por José Antonio Campoy)

29 Março 2006

O eclipse solar já começou...



Hoje a lua vai tapar totalmente o sol, transformando por minutos o dia em noite em algumas zonas da América do Sul, África e Ásia, um fenómeno que em Portugal só será visto parcialmente.
O eclipse teve início às 10:02 GMT (11:02 em Lisboa), quando a Lua Nova se começar colocar entre a Terra e o Sol, mas só será total em algumas regiões do globo, onde a noite regressará durante quatro minutos a partir do momento em que a lua encubra os raios solares.
Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), «a faixa da totalidade começa no Brasil, cruza o Atlântico, atravessa o continente africano pela Nigéria, Sudão e Líbia, onde se observará o máximo do eclipse, continuará correndo pelo Mediterrâneo, Turquia, Rússia, indo terminar na Mongólia Ocidental».
De forma parcial, poderá ser visto em dois terços de África (exceptuando o sul), na metade oriental do Oceano Atlântico, na Europa e na parte ocidental da Ásia (exceptuando a Índia).
Em Portugal, o fenómeno celestial será parcialmente visível, com um máximo de 30 por cento do sol tapado pela Lua.

27 Março 2006

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón...

a minha homenagem!



Fui ao Centro Cultural de Belém no passado sábado ver a exposição da Frida Kahlo e fiquei maravilhada.
Ver os quadros dela em revistas ou na Internet não me tinha transmitido a intensidade das cores dela que me entrou na alma assim que olhei o primeiro quadro.
A frase dela que aparece na parede logo à entrada :"Pensaram que eu era surrealista, mas eu não pinto sonhos só pinto a realidade" é para mim o resumo da obra dela.
O quadro que acima publico não está em exposição no CCB. mas é o meu preferido.Acho que ela e o gato preto estão magníficos de cor e realismo.
Apesar da fraca luz com que o CCB nos apresentou os quadros ( alguns mereciam muito mais iluminação para podermos apreciar as diferentes tonalidades ) gostei muito e recomendo.
Foi uma emoção olhar para os originais e relembrar a história de cada quadro.

Nova utilização para a água do mar...

O Governo da cidade de Shenzhen, na província meridional chinesa de Guangdong, planeia utilizar água do mar nos autoclismos das novas construções, para poupar recursos hídricos, avança a Agência Lusa, citando o jornal oficial chinês China Daily.
O projecto municipal será testado em três comunidades urbanas construídas junto ao mar, e, se a experiência tiver êxito, poderá alargar-se a outros edifícios a remodelar em todo o município, segundo o jornal.
Em valores per capita, as reservas chinesas de água são de apenas 2.200 metros cúbicos, menos de um terço da média mundial, e pelo menos 500 milhões de pessoas tem acesso a menos água do que a população da Somália, mas a China usa ainda água doce nos autoclismos, porque a maioria das casas está equipada só com um tubo de abastecimento.
O Governo chinês está a tentar encontrar medidas alternativas para evitar o desperdício de água, tendo em conta a escassez de recursos hídricos que afecta o país e se tornou mais aguda com a seca que afecta ainda a região do Delta do Rio das Pérolas, onde se encontra Macau e as cidades fronteiriças de Shenzhen e Hong Kong.
Cerca de 80 por cento dos recursos hídricos chineses estão no sul da China.

24 Março 2006

Gato Fedorento ataca de novo...


Falam, falam e depois, ah e tal...RTP!


As piadas dos quatro "gatos fedorentos" passam para horário nobre"! Os humoristas assinam contrato com a televisão pública por dois anos.
A RTP vai colocar os "Gato Fedorento" hoje no ar !Os ‘Gato’ já definiram com a RTP a produção de uma série de 13 programas, mais precisamente ‘sketches’, à semelhança do que faziam na SIC Radical. Mas a ligação dos humoristas ao canal do Estado é mais vasta. De acordo com fonte da estação, vão trabalhar directamente com a programação, ou seja, com o director Nuno Santos. Ricardo Araújo Pereira, Zé Diogo Quintela, Miguel Góis e Tiago Dores funcionarão como consultores daquele responsável, tendo uma intervenção criativa, ajudando a pensar o que o canal público fará em matéria de humor e não só. A chegada dos ‘Gato’ à RTP é considerada pela estação televisiva “um dos grandes momentos do ano na televisão portuguesa”.
Momentos de humor irresistível a não perder!

23 Março 2006

H5N1...

Passagem do vírus para o homem é difícil

O vírus da gripe das aves tem dificuldade em propagar-se entre os humanos porque se instala numa zona profunda do sistema respiratório. Esta é a conclusão de alguns cientistas cujo estudo é publicado hoje pela revista científica Nature.Os investigadores alertam, contudo, que o comportamento do vírus pode ser alterado se este sofrer uma mutação genética. Se isso acontecer, o vírus será transmissível entre humanos e poderá desencadear uma pandemia, atingindo o mundo todo.O estudo pertence a uma equipa da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, e foi liderado pelo virologista japonês Yoshihiro Kawaoka. Mas resultados semelhantes já tinham sido alcançados pelo Centro Médico Erasmus de Roterdão, na Holanda.
Os vírus da gripe transmitem-se normalmente através de espirros e tosse, pois instalam-se em zonas do sistema respiratório acessíveis ao exterior. No caso da gripe aviária, acreditam os cientistas, o H5N1 aloja-se num local demasiadamente baixo, impedindo-o de ser ejectado através de espirros ou tosse.
Ontem, as autoridades de saúde chinesas aceitaram partilhar com a Organização Mundial de Saúde 20 amostras de H5N1 para ajudar os cientistas a desenvolver uma vacina. Dentro de dias, as amostras deverão ser entregues em laboratórios internacionais que se dedicarão a estudar a possibilidade de produzir uma vacina.
(In DN de hoje )